Winnipeg, no Canadá: roteiro do que se fazer em 3 dias

Maior cidade da província de Manitoba, Winnipeg, no Canadá, é um grande centro comercial e cultural. Ela foi eleita em 2012 pela revista Money Sense a sétima melhor cidade para se viver no país. Colocação que não deixa de impressionar, se considerarmos a qualidade de vida em geral no país.

O nome “Winnipeg” significa “água enlameada” em um dos idiomas aborígenes. Era o nome de um lago em cujo entorno se realizava um comércio intenso muito antes de os europeus chegarem ao local.

A região conhecida como The Forks é outra importante referência hidrográfica. Ela fica no encontro dos rios Assiniboine e Red, onde atualmente está localizado um imperdível centro cultural e comercial.

Como a maioria das grandes cidades canadenses, ela conta com uma rede de transporte público bem desenvolvida, o que representa uma facilidade e economia na locomoção. Caso você se hospede no centro, pode conhecer muitos lugares a pé, desde que a temperatura seja favorável.

A época mais barata para se viajar para Winnipeg, sul do Canadá, é o inverno, quando a sensação térmica pode chegar a -35°C! Portanto, a menos que curta os esportes de inverno, não é recomendado que você economize viajando para lá nessa época, pois o rigor térmico vai impedir que conheça boa parte da cidade.

Para aproveitar bem a cidade, nós recomendamos que você viaje nas demais estações do ano, quando os termômetros registram temperaturas bem mais agradáveis para o turista dos trópicos.

É uma cidade com várias atividades turísticas, que agradam os interessados em cultura, gastronomia, compras e esportes. Winnipeg também é atraente para aqueles que não abrem mão de uma vida noturna agitada, com bares, restaurantes e cassinos.

Com tantas opções, é preciso planejar bem a viagem. Três dias é o tempo mínimo para conhecer a cidade e aproveitar o que ela tem para oferecer de melhor.

A seguir, um roteiro para otimizar a estadia de três dias em Winnipeg, Canadá.

Winnipeg, no Canadá, roteiro do que se fazer em 3 dias

 1ºdia

O primeiro dia merece ser dedicado a uma região central chamada The Forks. O nome vem do desenho formado pela junção de dois rios, Assiniboine e Red. O nome do lugar se dá por essa junção parecer uma “forquilha” (ou um “y”). The Forks fica na região central e pode ser percorrido a pé.

Manhã: uma boa opção é tomar o café da manhã no mercado local, o Forks Market. Lá você poderá optar por um café selecionado, com grãos especiais, algo mais light, ou um autêntico breakfast com ovos mexidos, bacon e um prato típico: batatas à dorê, chamadas hashbrown.

Depois de alimentado e de ter dado uma olhada nas lojas de artesanato e produtos nativos do mercado, começam as escolhas culturais. Uma boa ideia é ir com disposição ao Museu Canadense dos Direitos Humanos.

A arquitetura serve como uma primeira obra a ser observada: uma espécie de espiral metálica que envolve uma torre dá o tom ousado da construção. O museu relembra e reflete sobre a evolução e o futuro dos Direitos Humanos, dividido em 11 galerias, que podem ser seguidas com a ajuda de um aplicativo de celular que faz uma visita autoguiada.

A arquitetura futurista do Museu Canadense dos Direitos Humanos.

Tarde: após almoçar em algum dos bons restaurantes do local, uma boa pedida é fazer a digestão em uma caminhada amena pelas margens do rio Red. As árvores que margeiam o rio protegem do sol, convidando os mais animados para uma corrida ou pedalada. Dependendo da época do ano, é possível patinar nessa área, que vira uma pista de gelo enorme.

Uma ótima opção para quem viaja com os filhos pequenos é visitar o Museu das Crianças. A arquitetura em forma de cubo distorcido já chama a atenção para a importância das atividades imaginativas e lúdicas na formação da criança.

Esse museu tem exatamente a proposta de despertar a criatividade nas crianças e também (por que não?) nos adultos.

Noite: para terminar o primeiro dia, que tal recuperar o dinheiro gasto em alguns dos tradicionais cassinos da cidade? Ainda que isso não aconteça, é possível se divertir jogando cartas ou nas máquinas caça-níquel. Se você não se sente à vontade com esses jogos, pode participar dos bingos ou se refestelar nos maravilhosos bares e restaurantes.

A sugestão é ir a um destes dois cassinos, McphillipsStation Casino e o Club Regent Casino. Embora estejam um pouco afastados do centro, eles são os mais tradicionais e, por serem gerenciados pelo município, contribuem para o desenvolvimento da cidade.

Fachada do Club Regent Cassino de Winnipeg, no Canadá.

2ºdia

Manhã: o segundo dia pode começar pela visitação ao Museu de Manitoba, um dos principais pontos turísticos da cidade. No inverno, ele abre de terça a sexta, das 10h às 16h, e, no fim de semana, das 11h às 17h. No verão, o museu abre todos os dias, das 10h à 17h.

Localizado no centro de Winnipeg, o museu de Manitoba tem nove galerias que impressionam pela interatividade proporcionada aos visitantes. Uma parte importante é o Planetário, onde é possível, por meio de uma apresentação multimídia, “voar” pelas constelações ou aprender de um jeito bem descontraído e minucioso sobre a expedição lunar.

Esse passeio é uma forma impressionante de vivenciar várias paisagens do passado, experimentando a sensação de ver um urso polar devorar sua presa sob a fantástica iluminação de uma aurora boreal.

Além de viajar no tempo e espaço, caminhando por cavernas, pântanos e de caminhar por florestas hoje devastadas, há, para os aficionados por ciência, mais de cem exibições interativas sobre o assunto.

Outro museu, bem mais modesto, mas interessantíssimo, é o Winnipeg Railway Museum. Pequeno e de fachada discreta, o museu guarda antigos maquinários, documentos e mapas que explicam a importância do sistema ferroviário para o desenvolvimento não só da cidade, mas do país.

Locomotiva no Railway Museum.

Tarde: a influência da cultura francesa pode ser presenciada caminhando pelas ruas de Saint Boniface, bairro onde a herança dessa cultura pode ser vista na língua, arquitetura e hábitos da comunidade. A beleza arquitetônica pode ser contemplada por todo o bairro, mas vale uma atenção especial para a catedral de Saint Boniface, uma das mais importantes da cidade.

Catedral de Saint Boniface à noite.

Visitar as várias boutiques e apreciar os cafés da região também é uma ótima ideia. Uma boa sugestão é fazer um piquenique em algum dos vários parques do bairro e curtir o clima desse pedacinho da França no Canadá.

O verão da canadense Winnipeg é um convite à boa música. Em junho, vale muito a pena ir até o Old Market Square conferir um famoso festival de jazz que dura dez dias com shows gratuitos e outros de preço bem acessível.

Se você viajar nas duas primeiras semanas de agosto, uma obrigação cultural é vivenciar o Folklorama. O evento se estende por mais de 40 pavilhões distribuídos por toda Winnipeg. É simplesmente o maior e mais tradicional evento folclórico do mundo, em que você poderá provar da música, gastronomia e exposições típicas. Uma verdadeira vivência étnica. Imperdível!

Noite: existem várias possibilidades para ver uma atividade esportiva na cidade canadense de Winnipeg. O hóquei, por exemplo, é muito popular na cidade, graças ao Winnipeg Jets, um time da liga nacional canadense.

Mesmo que você não vá ao estádio, é possível ver uma partida pela televisão nos bares e restaurantes, um programa conhecido como “hockey nights”, que reúne grupos de amigos para ver os jogos.

Caso você viaje no verão ou primavera, outra dica esportiva é ver uma partida de beisebol no Shaw Park. Conhecer o lugar é uma imersão nos hábitos culturais do Canadá, ainda que você pouco ou nada entenda desse esporte, a experiência equivale a ver uma partida de futebol no Maracanã.

3ºdia

Manhã: uma opção boa para começar o terceiro dia é tomar um café da manhã na rede Stella´s. A dica, para quem está com o orçamento apertado, se estende para o almoço e janta. O lugar fica aberto das 7h até as 0h e tem uma comida leve, saborosa e barata.

Antes de ir às compras no último dia, vale uma passada na Galeria de Arte de Winnipeg, que abriga a maior coleção de arte contemporânea de tribos esquimós. É um ótimo lugar para se comprar lembranças para presentear os amigos. Além do bom gosto dos artesanatos, o preço é bem convidativo.

Galeria de Arte de Winnipeg.

As compras para valer podem ser feitas em um dos shoppings mais tradicionais da cidade, o CF Polo Park. Inaugurado em 1959, nele você encontrará centenas de lojas para encher as malas. O horário de funcionamento é o mesmo dos shoppings brasileiros.

Tarde: se depois das compras você quiser gastar um pouco mais no almoço, um bom investimento é o 529 Welington. O lugar é uma das churrascarias mais conhecidas do Canadá e conta com cortes de carnes especiais que agradariam aos gaúchos mais exigentes!

Caso você esteja com disposição para provar da alta gastronomia da cidade, a dica é restaurante Deseo. O restaurante possibilita uma viagem de sabores por pratos de várias culturas diferentes, todos preparados com ingredientes frescos combinados com ousadia e criatividade.

Depois de se dedicar ao consumo e à gastronomia, talvez seja importante passar a última tarde na cidade no belíssimo Assiniboine Park. Um lugar para fazer piquenique, caminhada e com vários espaços interessantes, como os jardins e o zoológico. O contato com essa paisagem bucólica é uma ótima forma de guardar uma impressão marcante de Winnipeg, Canadá.

Noite: para encerrar a noite e a viagem, a dica é conhecer os bares de Winnipeg. O Bar Tavern United tem seis endereços espalhados pela cidade e é uma forma garantida para fechar com chave de ouro a viagem. Cervejas especiais, vinhos, coquetéis, petiscos variados são algumas alternativas do cardápio para acompanhar o balanço e as impressões da viagem.

Outra opção garantida para encerrar a noite é o bar Barley Brothers. A proposta inicial do estabelecimento era fornecer bebida para os restaurantes. O negócio deu tão certo que os donos resolveram abrir seu próprio espaço. A variedade de cervejas é incrível. É um lugar obrigatório para os amantes da bebida.

Opções de cerveja no Barley Brothers.

Além dos 3 dias: mais dicas certeiras do que se fazer em Winnipeg

A cidade conta com uma programação cultural intensa que precisa ser verificada durante o período de sua estadia. Além de uma orquestra sinfônica que mantém apresentações regulares, a cidade conta com vários grupos de teatro que valem muito a pena conferir.

Caso seu inglês não seja muito bom pra acompanhar a peça, uma opção é verificar a apresentação de alguma companhia de balé da cidade.

Além do beisebol e hóquei já citados, você pode acompanhar o time de futebol canadense da cidade, o Winnipeg Blue Bombers. É um grande time da liga de futebol canadense, já ganhou dez títulos e costuma jogar com o estádio sempre cheio, por isso é bom se programar antes e comprar o ingresso com antecedência.

No mais, quando a temperatura ajuda, Winnipeg é uma cidade linda para passear. Tirar um tempo para andar aleatoriamente pelas ruas, sentar em alguma praça e comer algum petisco na rua é sempre uma delícia.

Esse é o roteiro para aproveitar ao máximo sua estadia em Winnipeg, no Canadá. Não se esqueça de cotar o dólar canadense em várias casas de câmbio, procurando sempre o melhor negócio. O mesmo vale para a hospedagem. Vale a pena observar alguns hotéis bons e baratos no centro como o Assiniboine Park Homestay e o The Capri motel.

Agora é arrumar as malas e boa viagem!

E se este post ajudou você a saber um pouco mais sobre Winnipeg, Canadá, compartilhe com seus amigos e deixe sua opinião. Acompanhe nossas publicações para saber tudo sobre a vida canadense.

Topo