Tudo o que você precisa saber sobre morar em Montreal

Posted in Cultura, Economia e Política, Educação, Emprego, Eta Canada Blog, Saúde

Segunda maior cidade do Canadá e a primeira da região de Quebec, morar em Montreal é um objetivo para muitos estrangeiros que desejam construir uma vida no país da América do Norte. Com quase 2 milhões de habitantes, número que dobra quando sua região metropolitana é incluída, a cidade é bastante agradável e ainda conta com toda a infraestrutura de um local de grande porte.

Cosmopolita, Montreal é uma das maiores cidades do Canadá. Foto: Ichigo 121212

Até os anos 70, era o principal centro econômico do Canadá. A partir de então, Toronto passou a ter essa posição, mas a localidade, nos dias de hoje, segue com sua importância. É um centro de tecnologia aeroespacial, comércio, finanças, design, educação, turismo, cultura, entre outras áreas.

Historicamente, sediou a Exposição Internacional e Universal de 1967 e as Olimpíadas de 1976 (a única oportunidade em que o Canadá abrigou o evento). Atualmente, realiza a etapa do país de Fórmula 1.

Como se localiza em Quebec, o francês é a língua mais comum, falada por metade da população da cidade. Pouco mais de 20% das pessoas que vivem em Montreal falam inglês e outros 20%, demais idiomas. Assim, é uma cidade na qual é possível ouvir e praticar um vasto vocabulário.

A seguir, você saberá onde e como morar em Montreal e terá mais informações sobre a cidade.

Como é a vida em Montreal?

Na introdução, você soube que a cidade tem a presença das duas línguas oficiais do Canadá (inglês e francês) e que nela se pode ter acesso a diversas atividades culturais. Dessa forma, há programas para fazer o ano inteiro.

Este pode ser um dos motivos para escolher a cidade para morar, estudar e trabalhar.

Para se ter uma ideia, a revista The Economist considerou Montreal como uma das melhores cidades para se viver em todo o mundo. O anúncio foi feito em 2015 e ainda a destaca como ideal para ser um estudante.

A partir de agora, você conhecerá a localidade sob todos os aspectos considerados relevantes por quem procura se estabelecer em uma localidade diferente: média salarial, onde morar em Montreal (com os melhores bairros), escolas, mercado de trabalho, segurança, clima e, para começar, o seu custo de vida.

Custo de vida

Em comparação a outras cidades canadenses tão cosmopolitas quanto Montreal, seu custo de vida é menor, o que ajuda a atrair imigrantes de várias partes do mundo.

Em relação ao aluguel de imóveis, o preço varia bastante, como em qualquer outro lugar. Os principais fatores que determinam o valor final são a localização e o tamanho do imóvel.

Casas e apartamentos mais afastados do centro e das estações de metrô costumam ser mais baratos, com preços que variam entre CAD$ 800 a 1.100 (R$ 1.200 a R$ 2.200), para apartamento de dois quartos. Já em bairros com maior infraestrutura, é possível alugar um imóvel pelo mesmo valor, porém menor, com um quarto.

Em relação à alimentação, uma vantagem, principalmente em relação ao Brasil, é que apenas os alimentos industrializados são tributados. Portanto, frutas, verduras, legumes, carnes, ovos e outros itens naturais são isentos de impostos, o que os torna mais baratos. Com um valor que varia entre CAD$ 400 e CAD$ 600 (R$ 1.100 a 1.700), é possível alimentar bem duas pessoas.

O Banco de Alimentação, programa social destinado a pessoas de baixa renda ou a quem está se estabelecendo no Canadá, oferece cestas básicas gratuitamente ou por valor simbólico. Os alimentos são distribuídos em igrejas e associações que ajudam imigrantes.

Em relação aos restaurantes, os fast-foods costumam ser mais baratos, com refeições a partir de CAD$ 10 (quase R$ 30). Os buffets servem pratos que custam em média CAD$ 16 (R$ 45) e os pratos à la carte saem por CAD$ 20 a CAD$ 30 (R$ 55 a R$ 85).

Para passear, já foi mencionado que existem opções o ano inteiro. O melhor disso é que muitas dessas atividades são gratuitas, como as promovidas pela prefeitura de Montreal. Museus e cinemas costumam ter preços bem em conta, assim como partidas de boliche. Shows e festas fechadas exigem maiores gastos.

O transporte público, por sua vez, é de alta qualidade e, assim como em muitas outras cidades canadenses, há a opção da taxa fixa mensal, de CAD$ 82 (R$ 232). O passe único, melhor alternativa para quem não o usa regularmente, custa CAD$ 3,25 (pouco mais de R$ 9).

Média salarial

Assim como o custo de vida, há uma variação nos números, em função, naturalmente, da variedade de ocupações. Mas é possível calcular uma média.

No Canadá, é comum que a remuneração seja feita por hora trabalhada, diferentemente do Brasil, onde o parâmetro é mensal na maior parte das vezes.

Um outro aspecto no qual os dois países são distintos entre si é a oscilação dos valores entre os estados (Brasil) ou províncias (Canadá). Enquanto neste cada unidade tem autonomia para estabelecer parâmetros, no primeiro a determinação é a mesma para todo o território nacional.

Em Quebec, onde fica Montreal, o salário mínimo é de CAD$ 12 (R$ 34).

Melhores bairros

O centro da cidade tem mais infraestrutura, mas o custo com imóveis costuma ser mais caro. Foto: Scott Webb

Morar em Montreal é uma boa experiência independentemente do local, mas alguns bairros sobressaem e parecem perfeitos para pessoas de determinados perfis.

O centro da cidade (Centre-Ville, em francês) conta com vários centros comerciais e empresariais, o que é ótimo e útil para quem não deseja percorrer grandes distâncias para trabalhar ou fazer suas compras. Tem, também, uma vida noturna bastante presente e costuma ser um ponto de encontro de jovens.

O Chinatown, como não poderia deixar de ser, tem elementos que lembram o país asiático. Todos os estabelecimentos, como lojas e restaurantes, por exemplo, trazem consigo as suas características. Também possui opções para diversão noturna.

Já o Le Sud-Ouest (Distrito Sudoeste) tem diversas construções históricas, que abrigam tanto residências quanto empresas. Com barracas ao ar livre que vendem itens alimentícios, sua atmosfera lembra a de uma localidade pequena e acolhedora. Tem uma grande área verde, onde é possível se exercitar.

O Olympic Park abriga as instalações das Olimpíadas de 1976. Na região, o Parque Maisonneuve é uma ótima opção de passeio. No mercado com o mesmo nome do parque, pode-se comprar produtos agrícolas, vinhos e tomar um bom café.

Na porção norte da cidade, o Outremont é predominantemente residencial, o que o torna uma alternativa viável para quem busca sossego ao morar em Montreal. Seus estabelecimentos têm um visual sofisticado e receptivo. Tudo é muito relaxante.

Imóveis

Os preços do aluguel e compra de imóveis varia bastante, de acordo com o seu tamanho e localização. Foto: Coyotechnical

É mais comum que um imigrante, ao começar a morar em Montreal, procure um imóvel para alugar, até que tudo se estabeleça na nova cidade. Depois de algum tempo, é mais comum que o interesse pela compra de uma casa ou apartamento seja maior.

É importante saber que a transação não ocorre exatamente como no Brasil. A começar pelas pessoas envolvidas. O corretor de imóveis (realtor, no Canadá) é um profissional mais independente e liberal do que no Brasil. E, assim como em outros aspectos, cada província tem as suas regras em relação à atuação do profissional.

O realtor costuma ser o intermediário na compra e venda de imóveis. Uma boa forma de encontrar um bom profissional é através de indicação. Além dele, é necessário contar com os serviços de um advogado especializado no assunto, um inspetor e uma pessoa que trabalhe na empresa de financiamento.

Os anúncios ficam em um site único, o realtor.ca. Um contrato condicional é firmado entre as duas partes e, simultaneamente, o imóvel passa por uma vistoria e o financiamento é aprovado.

Todos os envolvidos na transação são comissionados e o vendedor se responsabiliza por pagar todas as taxas.

Com tudo aprovado, o contrato chega à condição de incondicional, ou seja, a venda é finalmente realizada.

Apesar de ser mais frequente que um imigrante compre um imóvel para morar em Montreal após um período de adaptação, nada impede que tal projeto seja apressado.

Com entrada a partir de 5% do valor total, é possível concretizar a compra. A porcentagem aumenta à medida que os bancos enxergam um risco maior, e pode chegar a 35%.

Escolas

Como qualquer cidade ou país bilíngue, é natural que haja escolas com ênfase em um dos dois idiomas. No caso de Montreal, as instituições podem ser francófonas ou anglófonas e quem tem visto de residência permanente não escolhe onde filhos irão estudar gratuitamente (nesses casos, as crianças estudam onde se enfatiza o francês).

Para estudar em um local anglófono, é necessário pagar o tuition (taxa anual), ainda que seja público.

Os documentos exigidos para a matrícula são:

  • Passaportes dos membros da família;
  • Certidão de nascimento da criança (pode ser em português);
  • Boletins de outras escolas;
  • Caderneta de vacinação.

As notas ganham uma importância extra quando a matrícula é para o curso secondaire (a partir de 12 anos). Elas são critério de entrada nas melhores escolas da cidade.

As crianças pequenas podem permanecer na daycare ou garderie (creche). Imigrantes com visto de residente ou de trabalho pagam um limite diário e o Revenu Quebec (que faz as funções de Receita Federal na província) reembolsará a diferença, caso seja preciso.

Mercado de trabalho

Montreal abriga aproximadamente 5 mil fábricas. Seus setores de destaque são o tecnológico, têxtil, vestuário e farmacêutico. Também se destaca no processamento de tabaco, produção de alimentos industrializados e artigos eletrônicos.

A região também é um centro aeroespacial, um dos mais conhecidos em todo o mundo. Tem uma terra fértil e uma boa produção de petróleo.

O maior porto fluvial do mundo está em Montreal. O local recebe mais de 26 milhões de toneladas de cargas diversas. As ferrovias são importantes para escoar as mercadorias e também emprega muitos trabalhadores.

Segurança

Assim como em todas as outras principais cidades canadenses, morar em Montreal é se sentir seguro 24 horas por dia. Não é preciso andar com a bolsa agarrada ao corpo a todo momento ou deixar de colocar os próprios pertences em uma mesa de bar, por exemplo. Há crime, mas o volume é muito menor do que no Brasil.

A segurança é uma das vantagens de morar em Montreal. Foto: Leeroy Agency

As mulheres têm mais liberdade para chegar tarde em casa, sem medo de abusos ou roubos. Andar de carro conversível e visitar todos os pontos turísticos também não são sinônimos de ameaça.

Clima

Como boa parte do Canadá, o inverno em Montreal tem neve e baixas temperaturas, que ficam negativas. Os ventos costumam ser fortes.

Já os verões são frescos, com temperaturas que costumam chegar a 26°C (em alguns momentos, pode alcançar 30°C). Entre o final de junho e o começo de setembro, o clima fica mais quente. No entanto, os meses mais frios estão entre dezembro e março.

Você conferiu tudo o que precisa saber sobre morar em Montreal. Para ter informações sobre outras cidades, leia os outros textos e confira o conteúdo novo e exclusivo postado regularmente. Comente em caso de dúvidas ou se quiser relatar suas experiências.

Topo