Tradições do Canadá: fique por dentro da cultura do povo canadense

Posted in Cultura, Eta Canada Blog

As artes e tradições canadenses, sem sombra de dúvida, são o reflexo das suas origens viking, inglesa, francesa e aborígene.

No entanto, outra tradição secular — de abrir as portas (com critério) para a imigração — também contribuiu para essa enorme fama de nação multicultural, e que tem na diversidade a sua grande arma contra um problema que há muito vem preocupando o governo do país: a baixa densidade demográfica.

Apesar de ter o inglês (56% da população) e o francês (22% da população) como línguas oficiais, o Canadá possui uma outra nação dentro do país, que são os quase 22% de indivíduos que falam línguas como holandês, italiano, espanhol, árabe, grego, português, além, obviamente, de alguns dialetos nativos.

O esforço do governo canadense em incentivar a imigração transformou o Canadá em um dos países com a maior diversidade cultural do mundo.

Toda essa diversidade certamente é fruto de uma bem-sucedida campanha de incentivo à imigração iniciada há décadas pelo governo canadense, com o intuito de preencher postos de trabalho em um país cuja população, de acordo com uma pesquisa realizada em 2015 pela The World Factbook, possui uma idade média em torno de 41,5 anos (para homens) e 43 anos (para mulheres).

Esses números, à primeira vista inofensivos, fazem do Canadá um dos países mais envelhecidos do mundo, com cerca de 19% da sua população com mais de 65 anos de idade e uma taxa de natalidade de 1,58 filhos para cada mulher. Uma situação que só tende a piorar, em um país onde o planejamento familiar faz parte da sua própria cultura.

Só em 2017, estima-se que tenha aumentado em quase 26% o número de imigrantes no país (cerca de 300 mil indivíduos). Números que indicam que o Canadá deverá seguir com a sua tradição de incentivar a imigração e a diversidade, o que, certamente, deverá sedimentar, ainda mais, o caráter multicultural das suas tradições.

Tradições natalinas canadenses: encante-se com a diversidade

A tradição natalina no Canadá não é, em sua essência, diferente dos demais países. Tirando o fato de que o dia 24 é praticamente um dia como outro qualquer (já que a maioria trabalha normalmente nesse dia), de resto (para os que têm essa oportunidade), o ritual é o mesmo: almoço em família, montagem da árvore, abertura de presentes, entre outras tradições que geralmente são reservadas para o dia 25.

No entanto, assim como em outros países, essa tradição no Canadá possui as suas singularidades. E entre as que mais se destacam, estão:

1. Montagem da árvore

Sem dúvida, a montagem da árvore de Natal é uma das tradições mais caras ao povo canadense. A diferença é que, para eles, uma árvore de Natal que se preze deve ser feita com um pinheiro verdadeiro, e de preferência, com espécies como: Cedar, Cypress, Pine, Spruce, entre outras variedades, que, além de mais belas, transmitem um clima típico do período natalino.

Tal é a força desse costume que, no país, existe uma cultura de plantar árvores em determinadas fazendas, durante o ano, especialmente para serem utilizadas nessa época.

As árvores são utilizadas e, após as festas, recicladas, como forma de manter a tradição dentro do que é recomendado pelos novos padrões de consumo com responsabilidade ambiental.

No entanto, os mais pragmáticos não têm o menor pudor em adquirir o seu pinheiro verdadeiro em uma das inúmeras lojas canadenses especializadas em variedades, como: Walmart, Canadian Tire, Ikea, entre outras lojas bastante requisitadas durante as festas de fim de ano.

2. Iluminação

Um show de luzes faz parte da programação de qualquer país durante o período natalino. A diferença é que, no Canadá, essa tradição é realmente levada sério e se espalha por todas as suas províncias, obviamente, com as peculiaridades de cada região.

Algumas cidades como Toronto são apelidadas de “cidades das luzes”, tal a quantidade de edifícios, árvores e monumentos que recebem iluminação especial, transformando-se em verdadeiros shows à parte durante as festas de Natal.

A Cavalcade of Lights, por exemplo, é um show de luzes e fogos de artifícios em frente à prefeitura da cidade. É considerado o maior evento pirotécnico de Toronto e um dos maiores do Canadá, rivalizando com o do prédio do parlamento em Ottawa.

Somam-se a esses eventos a iluminação da Nathan Phillips Square, da Hudson’s Bay, da Yonge, St, Yorkiville, entre outras ruas e bairros tradicionais.

O Cavalcade of Lights é considerado um dos mais belos shows pirotécnicos da América do Norte.

3. Carta para o Papai Noel

A tradição de enviar uma cartinha para Santa Claus (o Papai Noel, de acordo com a tradição anglo-saxônica) ainda é bastante presente na cultura de boa parte do país. As crianças são estimuladas a contribuir para a perpetuação dessa tradição, principalmente pelo seu caráter educacional, já que somente as que se comportaram bem durante o ano serão agraciadas com a atenção do “bom velhinho”.

Para manter o costume, o governo canadense desenvolveu uma parceria com os correios, que se encarregam de responder ao maior número possível de crianças, como se fosse o próprio Papai Noel.

Para isso, basta que a criança escreva ou peça para os pais escreverem uma cartinha com o seu desejo, devidamente registrada, com remetente e endereço corretos.

A carta deverá ser enviada no máximo até o dia 16 de dezembro, para que ele possa responder até às vésperas da comemoração. Recebida a resposta, será a vez de os pais entrarem em ação, pois deverão comprar o presente e fazer com que pareça enviado pelo próprio Papai Noel.

4. Roupas de Natal

Outra tradição canadense, e das mais originais, é o hábito de vestir-se com roupas natalinas durante as festas de fim de ano. A maioria das lojas vendem de tudo: paletó, gravata, calças, bonés, pijamas, sapatos e tudo o mais que lembre essa fase.

Na manhã do dia 25, a tradição manda que todos estejam vestidos com os seus pijamas com motivos natalinos durante a abertura dos presentes.

Lá é bastante famoso também um costume conhecido como “Ugly Sweaters”, que pode ser traduzido mais ou menos como “blusa feia”. É uma tradição entre colegas de trabalho, que costumam escolher o funcionário com a roupa natalina mais feia.

5. Comidas

Para muitos, esse é o ponto alto do período natalino (para outros a própria razão de existir do Natal), e no Canadá reinam absolutos os doces, como o Butter Tarts (uma pequena torta à base de açúcar, ovos, manteiga e o tradicional “Syrup”), o Nanaimo Bars (uma sobreposição de wafer, creme de baunilha e cobertura de chocolate).

Também o “Eggnog” (uma bebida que pode ser alcoólica ou não, feita com leite, ovos, açúcar, noz moscada e baunilha), e salgados, especialmente a Tourtiére (uma torta de carne, considerada a principal refeição natalina).

As bebidas ficam por conta da “cerveja canadense”, do refrigerante de gengibre, do Ice wine (espécie de vinho feito com uvas congeladas), além da tradição de decorar a casa com os famosos “gingerbread houses”, umas casinhas feitas com biscoito de gengibre, que, para as crianças, trata-se da própria diversão.

Os famosos Butters Tarts são considerados sinônimos de festas canadenses.

6. Corais natalinos

Na tradição canadense esses corais também são conhecidos como “Christmas Caroling”. É um dos mais antigos costumes de fim de ano no país, e costuma envolver crianças e adultos, que se preparam durante todo o ano para fazer bonito nesse período.

De acordo com a tradição, os corais são montados com membros de igrejas, escolas, associações de bairro, ou mesmo entre integrantes da família. Durante o período, realizam as suas apresentações em diversas instituições do país, mas também de porta a porta — nesse último caso, com o intuito de arrecadar fundos para instituições de caridade.

O destaque entre os corais canadenses é o do Toronto Christmas Market, uma referência em estabelecimentos comerciais em Toronto, que há décadas mantém a tradição de oferecer um dos mais belos corais da América do Norte.

Todos os anos os corais canadenses reforçam a tradição de Natal

O que se celebra no Dia da Marmota?

Um dos costumes mais singulares entre as tradições canadenses é, sem dúvida, o curioso “Groundhog Day” ou “Dia da Marmota”.

Todo o dia 2 de fevereiro o pequeno roedor é observado pelos moradores de várias cidades do país, pois, segundo eles, o bichinho é capaz de prever a duração do inverno.

Ao sair da sua toca, caso o dia esteja nublado, deverá permanecer do lado de fora, já que não perceberá a sua sombra. Isso significa que o fim do inverno já se aproxima, trazendo os belos dias ensolarados da primavera.

No entanto, caso o pior aconteça, e, ao sair da toca, a marmota depare-se com um dia ensolarado, não tem jeito! Irá, obviamente, perceber a sua sombra e voltar imediatamente para a toca, denunciando, inexoravelemnte, o prolongamento do inverno por mais algumas intermináveis semanas.

Essa é uma tradição que, de acordo com relatos, teria começado em 1887, nos Estados Unidos, e se espalhado por várias províncias do Canadá, marcando o período entre o solstício de inverno e o equinócio de primavera.

O costume é tão tradicional que algumas marmotas acabaram tornando-se verdadeiras celebridades em algumas regiões do país, como a Wiartom Wille, habitante do Parque Nacional Península Bruce, em Ontário. Também, em Nova Escócia, a Shubenacadie Sam, que reina absoluta como uma parceira do serviço de meteorologia da região, entre outras personagens.

Mais tradições do Canadá: curiosidades da cultura canadense

1. Fazenda da abóbora

Entre os meses de setembro e novembro (outono no Canadá), algumas datas e eventos são considerados quase sagrados entre as tradições canadenses. Entre eles estão o jantar de Ação de Graças, a festa de Halloween, os piqueniques ou almoços nos parques, o Fall Rhapsody, além da não menos importante “visita à fazenda de abóbora”.

A “Fazenda de Abóbora” é uma tradição que consiste em visitar uma das inúmeras fazendas canadenses que participam do evento e escolher uma abóbora, na qual irá esculpir o famoso rosto do Halloween.

Além disso, as fazendas aproveitam esse dia para realizar várias atividades, concursos e brincadeiras, que juntam-se à tradição da abóbora para tornar o evento um dos mais alegres e festivos para indivíduos de todas as idades.

De uma tradição de afastar almas penadas, as abóboras esculpidas com o rosto do Halloween se transformaram em um dos maiores símbolos da América do Norte.

2. Halloween

Uma das festas mais populares da América do Norte, também é conhecida como o Dia das Bruxas. De acordo com historiadores, a comemoração teria origem no Reino Unido, com o significado de “Hallow” (Santo) e “Eve” (Véspera).

Era o termo utilizado no Reino Unido do séc. XVI para designar a véspera do Dia de Todos os Santos (1º de novembro) ou o dia em que todos os santos católicos deveriam ser venerados de uma só vez.

A partir do séc. XIX, principalmente nos Estados Unidos, passou a ser comemorado com festas à fantasia, decorações assustadoras nas casas e nas ruas, além das tradicionais visitas das crianças às casas dos vizinhos para pedir doces.

3. Canada Day

O Dia do Canadá reúne milhares de pessoas nas ruas para comemorar a unificação do país.

O Dia do Canadá é uma das principais tradições canadenses. Ele comemora o dia 1 de julho de 1867, o dia em que as colônias da Nova Escócia, Ontário, Québec e Nova Brunswick uniram-se para formar a Província
do Canadá.

Estava sendo promulgado o Ato da América do Norte Britânica, que não tornava o país independente do Reino Unido, mas apenas reunia vários povos dispersos em um único povo canadense.

Para comemorar esse dia, todos os anos o governo promove shows, almoços, cafés da manhã, desfiles, concursos, shows de fogos de artifícios, entre outras atrações que enchem as ruas de turistas e canadenses — estes últimos com os rostos pintados de vermelho e branco, que são as cores da bandeira nacional.

4. Festival da Islândia

Também todos os anos, de 2 a 5 de agosto, em Gimli, Manitoba, acontece o “Islendingadagurinn” ou simplesmente “Festival da Islândia”. É uma festa para a lembrança da forte cultura islandesa na cidade que já foi colônia desse país.

A celebração ocorre desde 1896 (inicialmente em Winnipeg), e tem como principal característica a forte temática viking, em uma festa regada a shows, concertos, concursos, desfiles, jogos, trajes vikings, entre outras atividades realizadas.

É um dos eventos mais antigos de toda a América do Norte, celebrado de uma maneira muito particular pelos habitantes de Gimli, que enxergam a festa como a maior representante da cidade e, por que não dizer, de toda a província de Manitoba.

5. Remembrance Day

O “Dia da Lembrança” é uma homenagem aos jovens mortos durante as duas guerras mundiais, geralmente celebrado todo o dia 11 de novembro.

Só para situar, no dia 11/11 de 1918, às 11:00h, a Alemanha finalmente se rendeu, pondo fim a um dos episódios mais vergonhosos da história da humanidade.

O dia é celebrado por todas as nações do Commonwealth (a Comunidade das Nações), e o seu ponto alto são os 2 minutos de silêncio absoluto em homenagem aos soldados.

O Dia da Lembrança não deixa no esquecimento os jovens mortos durantes as duas guerras mundiais.

Essas são algumas das principais tradições canadenses. Mas caso queira acrescentar algo a esse artigo, deixe-o como um comentário, logo abaixo. E continue acompanhando as nossas publicações.

Topo