Quais são os melhores vinhos canadenses?

Posted in Eta Canada Blog, Gastronomia

VQA

O VQA é um órgão regulatório, cujo objetivo é garantir a origem e a autenticidade dos vinhos canadenses.

Todos os países têm padrões regulatórios para a identificação da qualidade e autenticidade dos seus vinhos. No Canadá, não é diferente. Lá existe o VQA (Vintners Quality Alliance), uma espécie de órgão regulatório, cujo objetivo é garantir a qualidade e a origem dos melhores vinhos produzidos no Canadá.

Esse projeto é o resultado da união de forças entre governo e produtores, que há décadas perseguem a excelência na produção de vinhos.

Apesar de não ser um dos maiores produtores mundiais, o país tem um selo para os melhores vinhos canadenses, que funciona como um controle de qualidade e garantia de autenticidade. Ou seja, por meio de um rótulo, com as iniciais VQA, o cliente tem certeza de que os vinhos são 100% produzidos no Canadá, além de seguirem as normas de saúde exigidas pelo governo do país.

No entanto, apenas as províncias de Ontário e British Colúmbia, por enquanto, são associadas ao Vintners Quality Alliance, e exibem nos seus vinhos a marca VQA.

Essas províncias procuram seguir o padrão de qualidade dos maiores produtores de vinhos do mundo, como a França, que tem o selo AOC- Appelation d’Origene Controleé, a Itália, que tem o CDO-Controllata Denominazione d’Origine, a Espanha, com o DOC- Denominación de Origen Calificada, a Argentina, com o INV-Instituto Nacional de Viticultura, entre outros.

Em suma, o VQA é a principal responsável pelo controle de qualidade dos melhores vinhos canadenses, porque garante a sua autenticidade, acompanha todo o processo de produção, os métodos utilizados, determina as regras para a rotulagem, além de orientar os profissionais sobre como avaliar a bebida do ponto de vista do seu sabor, textura e aroma.

Icewine

O Icewine é considerado o melhor vinho canadense e, mais do que isso, ele é o grande responsável por chamar a atenção do mundo para a capacidade do país de produzir vinhos de boa qualidade.

Embora o Canadá ainda não possa ser considerado uma potência na produção de vinhos, é inegável que, quando se trata do cuidado na elaboração do produto, o país é um dos mais eficientes do planeta.

O Icewine é um exemplo disso. Conhecido como o Vinho de Gelo, pois é produzido com uvas brancas e vermelhas ainda congeladas, ele é considerado uma espécie de símbolo do país.

Para a sua produção, as uvas são colhidas às vésperas do inverno canadense, entre novembro e dezembro, quando as temperaturas costumam atingir a casa dos -16°C. É aqui que está o diferencial de um dos melhores vinhos canadenses, já que a produção do vinho com uvas congeladas é o que garante o seu paladar único e extremamente doce, além do aroma e sabor inconfundíveis.

A videira conhecida como Riesling é considerada a ideal para a produção do vinho, muito por conta da sua resistência e, principalmente, pela sua capacidade de produzir desde um bom espumante seco até vinhos brancos dulcíssimos.

No entanto, os Icewines tintos, como os do tipo Cabernet Sauvignon e Shiraz, ganham cada vez mais espaço no país e, hoje, disputam palmo a palmo a preferência, principalmente dos turistas.

O Icewine ou Vinho do Gelo foi o responsável por colocar o Canadá no mapa dos produtores mundiais de vinho.

Características

As principais características, desse que é considerado o melhor vinho canadense, são divididas em duas fases distintas: os anos iniciais após a sua produção e o seu envelhecimento.

No primeiro caso, o vinho apresenta uma característica de maior dulçor e acidez, além de uma combinação de aromas bastante complexa.

Já após o seu envelhecimento, a bebida torna-se mais encorpada. Aqui, percebe-se facilmente uma mistura de aromas que lembram o mel, o gengibre, a tangerina, entre outros aromas exóticos.

Talvez a grande marca dessa bebida seja mesmo a sua complexidade, caracterizada pela doçura e aroma típicos dos vinhos naturalmente doces, fruto da liberação, também natural, do açúcar e do álcool do próprio sumo das uvas ainda frescas e não fermentadas.

Ou seja, a sua riqueza em frutose, em detrimento da glicose, evita que a ação das leveduras comprometa a doçura do vinho, pois a frutose é muito mais resistente à sua ação.

Soma-se a tudo isso, o processo de produção do Icewine, que o torna o melhor vinho do Canadá. Um rigoroso controle de qualidade VQA fiscaliza todo o processo de produção da bebida, desde a colheita da fruta congelada, a uma temperatura entre -8°C e -15°C., o processo de prensagem, até a rotulagem do produto.

Enfim, é possível caracterizar o Icewine como uma bebida rica em frutose, bastante doce, e ácida durante os seus primeiros anos de vida. Mas, ela também mostra sua riqueza e complexidade, com seus aromas de mel, tangerina, especiarias, gengibre, baunilha, entre outros, quando envelhecida em barris de carvalho, especialmente os franceses. Características que fazem do Icewine uma bebida rara e feita para ocasiões especiais.

Uvas congeladas, colhidas entre -8°C e -15°C, conferem as características do melhor vinho canadense.

Como consumir?

Para os que desejam conhecer os sabores e aromas originais do Icewine, o recomendado é consumi-lo apenas alguns anos após a sua produção. Dessa forma, será mais fácil identificar o dulçor e a acidez, tão característicos da bebida.

No entanto, nada se perde em qualidade ao experimentar a bebida envelhecida, com todos os seus aromas complexos e bastante exóticos, de preferência acompanhada por uma sobremesa, que é o seu acompanhamento ideal.

Além disso, enólogos experientes também recomendam servi-la fria, e não gelada, pois, dessa forma, as suas propriedades podem ser mais percebidas pelas papilas gustativas.

O Icewine pode ser conservado por períodos superiores a 10 anos, em boas condições de conservação. Porém, após aberto, não se deve levar mais do que quatro dias para consumi-lo, sempre a uma temperatura entre 6°C e 7°C, e, de preferência, acompanhado com algo que seja mais doce do que ele próprio.

As tortas, creme brûlée, biscoitos finos, doces, chocolates, entre outras iguarias semelhantes, são alguns exemplos de acompanhamentos para esse que é considerado o melhor vinho canadense, e que pode ser produzido na forma de espumantes, vinhos brancos e tintos.

Porém, uma curiosidade é que o Icewine também pode ser apreciado sem acompanhamento algum, como um “vinho para meditação”, como também é conhecido, sem que se perca, de forma alguma, a magia de apreciar os seus sabores.

Como é feito

Produzir o melhor vinho do Canadá não é tarefa fácil, além de ser bastante custoso. Em primeiro lugar, a fruta deve receber um tratamento especial durante todo o período anterior à colheita, com a instalação de telas em toda a plantação, para evitar o ataque de pragas e outros bichos.

A colheita deve ser realizada entre os meses de novembro e dezembro, no inverno canadense, a uma temperatura entre -7°C e -15°C, com equipamentos próprios para o procedimento.

Feito isso, o próximo passo será proceder à prensagem da fruta ainda congelada, para que a água seja eliminada, enquanto é recolhido um mosto ou néctar bastante concentrado, com as suas características de aroma, dulçor e acidez.

Logo após o processo de prensagem, o resultado será um suco com um valor que eles estipulam como 32 brix, ou seja, com a quantidade ideal de açúcar que o diferencia das demais bebidas, e que dá a verdadeira característica de um Icewine.

O suco deve ser guardado por um mínimo de três dias e um máximo de quatro dias até ser introduzido em um tanque onde será fermentado por até 120 dias.

Para a produção do Icewine não deve haver adição de açúcar. A doçura característica da bebida é o resultado natural da fermentação das uvas e das variedades utilizadas.

Outra curiosidade é o fato de que a alta concentração de açúcar nas uvas e o seu sabor característico resultam de temperaturas abaixo de O°C, que congelam a água da fruta, mas mantêm o seu néctar praticamente intacto.

O Icewine é considerado uma bebida cara e rara, já que o néctar que se extrai dessas uvas congeladas é 10 vezes menor do que o que se extrai da maioria, o que, obviamente, confere a ele um status de bebida para ocasiões especiais.

Outros vinhos que você precisa provar

Brancos

Chardonnay

A Chardonnay é considerada a uva por excelência para a produção de vinho branco. Além disso, é facilmente encontrada em várias regiões do planeta. É uma variedade que se adapta muito bem ao ambiente da Borgonha, mas também ao dos EUA, Argentina, Austrália, Canadá, Chile e, inclusive, Brasil.

Os seus aromas amanteigados e de baunilha, típicos dos vinhos envelhecidos em barris de carvalho, são reconhecidos facilmente em todo o mundo. E o seu sabor, obviamente, será o resultado da localidade onde a uva foi plantada.

Riesling

Aqui, trata-se de um típico vinho das regiões da Alemanha, Áustria, França e Canadá, com leveza, perfume e acidez bastante característicos.

Por ter um baixo teor alcoólico, essa uva é a preferida para a produção de vinho branco para ocasiões especiais, além de ser a variedade escolhida para a fabricação dos melhores vinhos canadenses.

Gewürztraminer

O nome Gewürztraminer pode indicar uma procedência alemã, mas, no entanto, pesquisas apontam que ela é italiana.

O Gewürztraminer é bastante conhecido pelo seu aroma intenso, um buquê inconfundível, onde se destacam as especiarias e os aromas de flores perfumadas e frutas tropicais.

Quanto ao seu sabor, imperam, absolutos, a canela, laranja, gengibre, manga, tangerina, além de uma leve ardência.

É uma bebida doce ou seca, para várias ocasiões, bastante encorpada, versátil, e que deve ser harmonizada com pratos que acompanhem os seus aromas intensos e a sua característica picante.

Pinot Gris

A Pinot Gris, ou Pinot Grigio, é o resultado de uma manipulação genética ocorrida naturalmente na variedade Pinot Noir.

Ela lembra bastante o Sauvignon Blanc, graças à sua acidez, que é moderada. Porém, a leveza e a refrescância tornam essa bebida incomparável.

Os tons de tangerina, erva-cidreira, flores silvestres, pêssego e laranja são combinações que caracterizam o sabor do Pinot Gris.

A Riesling é a variedade de uva preferida para a produção dos melhores vinhos canadenses.

Tintos

Pinot Noir

O Pinot Noir é reconhecido pelo seu requinte e sofisticação, típicos de uma variedade produzida na região de Borgonha, na França.

Possui um sabor leve, refrescante e sofisticado, semelhante aos melhores vinhos canadenses, porém com aromas que lembram frutas vermelhas.

Por isso mesmo, essa variedade de uva é a preferida para a produção de espumantes.

Cabernet Franc

Já o Cabernet Franc é um vinho que se caracteriza por uma leve acidez e pela sensação mais demorada dos seus sabores e da adstringência do tanino. É muito indicado para uma harmonização com queijos, cogumelos, especiarias, ervas aromáticas, entre outras combinações.

Merlot

O Merlot é a variedade mais cultivada na França, principalmente na região de Bordeaux, para a produção de vinhos tintos, sedosos, frutados, ricos e encorpados.

O seu aroma, que lembra especiarias como cravo, pimenta, canela, além de frutas vermelhas (amora, groselha, entre outras), torna essa bebida ideal para uma harmonização com risotos, massas, guisados, pratos apimentados, condimentados, entre outros.

Cabernet Sauvignon

Finalmente, o Cabernet Sauvignon, um símbolo da cidade de Bordeaux, na França. Ele é considerado um dos vinhos mais famosos e tradicionais do planeta.

A bebida é produzida a partir do cruzamento das uvas Sauvignon Blanc e Cabernet Franc. Talvez por isso seja densa, encorpada, com taninos longos e exuberantes, complexa e extremamente elegante.

Como se não bastassem ser considerados sinônimos de elegância e sofisticação, os vinhos tintos ainda fazem muito bem à saúde.

Apesar de ser considerado apenas como um pequeno produtor, o Icewine foi capaz de colocar o Canadá no cenário da produção mundial de vinhos.

E você já teve alguma experiência com os vinhos canadenses? Deixe seu comentário abaixo. E aproveite para acompanhar as próximas publicações.

Topo